Subida ao Teide

Uma excursão até à cimeira de Canárias
Situado no centro da ilha de Tenerife, o Parque Nacional del Teide pode ser percorrido por várias veredas, entre elas a que conduz até ao próprio pico do vulcão. Com saída desde a Montaña Blanca, este itinerário de dificuldade elevada pela progressiva mudança de altura (sobe de 1.367 a 3.718 metros) tarda cerca de seis horas para chegar ao refúgio de Altavista. Há a possibilidade de pernoitar se for solicitada com antecedência uma autorização para aguardar durante a madrugada e enfrentar depois o último troço da subida, que leva à própria cratera do Teide.
Uma rota de trekking exigente mas única
Numa rota preparada para trekking, o itinerário combina via e vereda nos seus nove quilómetros de percurso, que passa por locais de grande interesse geológico como Montaña Rajada, Mina de Pómez, Huevos del Teide, Estancia de los Ingleses e a Rambleta. Para o último troço resta a via de Telesforo Bravo, que decorre entre canais de lava para alcançar a cratera do vulcão. Convém levar roupa e calçado adequados, assim como alimentos e bebidas frescas. No pico agradece-se um abrigo para combater o frio do amanhecer.
Length
9 km
Public transport
Localidad
Santiago del Teide
Downloadable files selection
Archivos
Imagen Archivo
Título Fichero
Subida al Teide
pdf

TENERIFE

TENERIFE

GRAN CANARIA

GRAN CANARIA

FUERTEVENTURA

FUERTEVENTURA

LANZAROTE

LANZAROTE

LA GRACIOSA

LA GRACIOSA

LA GOMERA

LA GOMERA

LA PALMA

LA PALMA

EL HIERRO

EL HIERRO
No te lo puedes perder
Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
Montanha Branca

Começamos por subir por esta montanha de pedra pomes, que outrora foi explorada para usos industriais e agrícolas. A pedra pomes é o produto de erupções explosivas devido aos gases no magma, ao chegar ao exterior ocorre um fenómeno como o desarrolhar do champanhe e essas “espuma do desarrolhar” vemos hoje como a pedra pomes.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
Montanha Rajada

Esta montanha está à nossa direita ao subir; é um típico domo vulcânico, o melhor exemplo nas Cañadas. A sua formação é produto da saída de lavas muito viscosas, que têm pouco percurso pelo que se acumulam adotando uma forma de cúpula, domus em latim, de onde vem o nome de domo

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
A mina de pedra pomes

A pedra pomes é muito útil na agricultura e em aplicações industriais, pelo que foi aproveitada no Teide antes de ser declarado Parque Nacional. Estas antigas minas foram restauradas, mas podemos perceber onde se extraiu a pedra pomes pela diferente coloração, mais clara do que o meio.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
Os ovos de Teide

Grandes pedras salpicam o último troço da pista, são bolas de acreção, que desceram a rolar desde o desfiladeiro de lava preta que ficou detida no sopé de Teide. Formam-se como bolas de neve, ao desprender-se do braço de lava, rolam e vão somando novas camadas de lava até pararem em baixo do desfiladeiro.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
A estância dos ingleses

Este evocador nome refere-se ao último ponto onde era possível obter lenha na subida ao Teide, pelo qual os viajantes e exploradores que subiam ao pico paravam aqui para pernoitar e empreender o último assalto ao vulcão, porque estamos a 2.982 metros.

Uma das grandes pedras deste local tem um buraco na sua parte inferior que era utilizado como refúgio natural para dormir.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
Subindo pelo “Teide antigo”

A subida até ao refúgio de Altavista é feito entre dois braços de lava preta, sobre o Teide antigo, com um ziguezague de inclinação muito acentuada. Subimos por materiais que têm uma antiguidade mínima de 32.000 anos, que em termos geológicos é uma minúcia, mas não no Teide que teve atividade vulcânica até à época histórica.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
Refúgio de Altavista

O refúgio está numa planície rodeada por dois imponentes braços de lava, tão altos que apenas observamos o pico. É o alojamento mais alto de Espanha, adequado para dormir e subir ao Teide ao amanhecer. A visão noturna do céu daqui é simplesmente apaixonante; 35 minutos depois do pôr-do-sol é possível observar a luz zodiacal e a via láctea.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
La Rambleta

Neste ponto termina o trilho de Altavista que atravessou campos de leva de grande desenvolvimento, aqui começa o descida ao Pico, se pedimos o autorização. Esta pequena meseta é hoje ocupada pela estação superior do teleférico, e é o ponto onde começa a verdadeira subida à cratera.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
O canal de lava

A subida à cratera começa junto à parede de um grande canal de lava, que desde a mesmo borda daquele.  Chamar-nos-á a atenção que há pontos desta parede praticamente lisos, correspondentes a lavas mais fluídas, e outros onde apreciamos como se formou o canal por superposição de camadas de lava.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
via Telésforo Bravo

Este último troço de subida recebe este nome do grande geólogo canário que a propôs como adequada para subir à cratera. O caminho sobe em ziguezague, aproximando-se da borda do canal de ladeira onde observamos camadas de lavas sobrepostas.  Também podemos observar algumas fumarolas, embora menos importantes do que as da cratera.

Imagen
Subtítulo
El Teide, Tenerife
Título
A cratera

O final da subida oferece-se um duplo espetáculo: a panorâmica e a próprio cratera. Observaremos facilmente as emanações sulfurosas das fumarolas, e depósitos de enxofre no interior, ao que não podemos aceder, da cratera, que em tempos foi explorada para extrair enxofre.

Tenha cuidado se se sentar, que não é recomendado, porque pode manchar a roupa com o ácido sulfúrico que se forma pela combinação das emanações sulfurosas com vapor de água.

Sustentabilidade
Sostenibilidad
- Nunca deixe resíduos de qualquer tipo no meio envolvente, incluindo pontas de cigarro. Os resíduos alimentares contribuem para a proliferação de roedores e gatos selvagens que constituem uma séria ameaça para a vida selvagem.
- Respeite os animais, não os incomode nem os alimente. Se vir algum animal ferido, pode contactar o número de emergência 112. Não arranque flores ou plantas.
- Não apanhe nem leve pedras ou qualquer outro elemento do meio ambiente. Também não o modifique empilhando as pedras para construir as infames "torres".
- Não caminhe em espaços não assinalados e respeite a sinalização dos trilhos. Sair dos caminhos assinalados causa danos ao meio ambiente e também pode ser perigoso para si e para aqueles que o acompanham.
- É mais seguro manter o seu animal de estimação com trela.
- Tente não perturbar a tranquilidade do meio envolvente com ruído excessivo (música alta, gritos...).
1
54784
10 13
262
10045