Rota de las Presas

Uma rota para descobrir as represas e pinhais de Gran Canária
Perto de Mogán, no interior de Gran Canária, existe uma rota para caminhadas que percorre o Parque Rural del Nublo e o Parque Natural de Pilancones. Com um comprimento de 12,2 quilómetros através de vias de terra, veredas e asfalto, esta rota circular está reservada para caminhantes com uma certa experiência. Começa em Degollada de Cruz Grande, desde onde se atravessa um magnífico pinhal, até chegar à represa de Soria, a maior da ilha. Percorre também algumas impressionantes formações vulcânicas na zona de Cañada del Almácigo.
Desfrutar das caminhadas e conhecer as casas caverna
O caminhante poderá conhecer, através desta rota, as tradicionais casas caverna que ainda perduram em Gran Canaria. Cabe destacar que muito perto da represa da Chira encontra-se um albergue dedicado ao turismo rural. Já que o percurso é comprido, é aconselhável levar água para se manter hidratado, alimentos, roupa de abrigo e proteção solar.
Length
12,2 km
Public transport
Localidad
San Bartolome de Tirajana
Downloadable files selection
Archivos
Imagen Archivo
Título Fichero
Ruta de las Presas
pdf

TENERIFE

TENERIFE

GRAN CANARIA

GRAN CANARIA

FUERTEVENTURA

FUERTEVENTURA

LANZAROTE

LANZAROTE

LA GRACIOSA

LA GRACIOSA

LA GOMERA

LA GOMERA

LA PALMA

LA PALMA

EL HIERRO

EL HIERRO
No te lo puedes perder
Imagen
Subtítulo
Rota da Prata, Grã Canária
Título
Degollada de Cruz Grande

A Degollada de Cruz Grande é a ligação natural entre a Bacia de Tirajana e as bacias do oeste insular, os barrancos de Chira e Soria. Subiremos por uma pista que parte da estrada pouco antes de chegar à Degollada se viermos de Las Tirajanas, para nos encontrarmos com um calvário de onde o trilho parte já para uma lomba de onde teremos vistas formidáveis da Bacia de Tirajana e os barrancos de Chira e Soria com as suas grandes represas.

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
Degollada del Dinero

Este desfiladeiro é o ponto no qual abandonamos a pista florestal pela qual começámos o percurso em Cruz Grande. Encontramo-nos exatamente na cabeceira do Barranco de Pilancones e vemos como este corte está completamente arvorado na zona alta por um magnífico pinheiral canário, através do qual vamos caminhar.

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
Degollada de Cho Benito

Este desfiladeiro faz-nos mudar de vertente, do barranco de Pilancones para o de Chira, observando como este último está mais humanizado, com habitações e o desaparecimento do pinheiral. A rota irá continuar pela crista para nos deixar ver, um pouco mais à frente, a ponta da barragem de Chira.

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
Barragem de Chira

Esta barragem data de 1964, com uma altura sobre o curso de 32 metros e um comprimento de muro de 230 metros, que iremos percorrer ao longo na nossa rota. Deste barragem chama a atenção a superfície de água retida e a existência da aldeia de Cercados de Araña, que lhe dão uma imagem quase de lago, visto do muro de contenção da barragem.

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
Tomadero de La Palma

Passada a barragem, iremos caminhar à beira de um canal que nos leva a uma curiosa vala antes de subir a encosta de La Palma, entre os barrancos de Chira e Soria. Esta obra hidráulica ilustra a preocupação pela água desta ilha, visto que permite captar o escorrimento das vertentes descascadas pelas quais continua a nossa rota.

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
Las Casas

Após percorrer a encosta de La Palma, iniciamos a descida perto de uma pequena aldeia, Las Casas, que nos permite ver a sobrevivência das casas-grutas na ilha, herança do passado aborígene, conservado nas zonas rurais e cumeeira como esta. Um pequeno açude sobre o casario dá-nos uma pista sobre o porquê de um povoamento humano num lugar tão afastado

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
Via pecuária de El Almácigo

Esta é a zona de maior interesse do segundo trecho do trilho, a descida de Las Casas até à barragem de Soria. As formações rochosas acompanham-nos, especialmente o espetacular Risco del Agujero, que contornamos pela via pecuária de El Almácigo, que nos faz recordar a existência de um bosque termófilo hoje apenas esboçado, enquanto descemos um importante desnível.

Daqui podemos ver à nossa frente a barragem de Cueva de Las Niñas, situada a um nível superior ao da barragem de Soria, e o grande Caidero de Soria, onde, com as chuvas, aparece uma espetacular queda de água.

Imagen
Subtítulo
Rota de Las Presas, Gran Canaria
Título
A grande barragem de Soria

Esta é a maior barragem das Canárias, propriedade da Comunidad de Aguas La Lumbre, com um muro de betão vibrado de 120 metros de altura e capacidade para reter 32 hectómetros cúbicos, como exemplo oito vezes o de Chira pelo qual já passámos.  A barragem encontra-se no nível médio alto do barranco de Arguineguín, que tem o nome de Soria a montante da barragem. Terminamos o nosso percurso atravessando a barragem na aldeia de Soria.

Sustentabilidade
Sostenibilidad
- Nunca deixe resíduos de qualquer tipo no meio envolvente, incluindo pontas de cigarro. Os resíduos alimentares contribuem para a proliferação de roedores e gatos selvagens que constituem uma séria ameaça para a vida selvagem.
- Respeite os animais, não os incomode nem os alimente. Se vir algum animal ferido, pode contactar o número de emergência 112. Não arranque flores ou plantas.
- Não apanhe nem leve pedras ou qualquer outro elemento do meio ambiente. Também não o modifique empilhando as pedras para construir as infames "torres".
- Não caminhe em espaços não assinalados e respeite a sinalização dos trilhos. Sair dos caminhos assinalados causa danos ao meio ambiente e também pode ser perigoso para si e para aqueles que o acompanham.
- É mais seguro manter o seu animal de estimação com trela.
- Tente não perturbar a tranquilidade do meio envolvente com ruído excessivo (música alta, gritos...).
2
54784
10 13
262
10045