Rota dos Vulcões

Um grande trekking pelo sul de La Palma
Situada entre as regiões centro e sul da ilha de La Palma, a rota dos Vulcões oferece um trekking natural ao longo do qual um dia foi uma importante via de comunicação entre regiões de La Palma. Este caminho, arranjado e assinalado, decorre através dos municípios de El Paso, Mazo e Fuencaliente, dentro do Parque Natural de Cumbre Vieja. Com vegetação escassa e inclinações de elevada exigência, convém vestir equipamento adequado e levar água e alimentos para uma vereda que se prolonga por cerca de cinco horas.
Um percurso exigente entre vulcões e animais endémicos
Com um comprimento de 17,5 quilómetros, o itinerário da rota dos Vulcões tem um desnível de 1.207 metros. O seu percurso natural oscila entre os 725 metros de altitude mínima em Fuencaliente e os 1.932 metros máximos que se alcançam na crista do cume. A sua superfície combina vereda, caminho florestal e asfalto. O trekking permite contemplar as duas vertentes insulares e, com um pouco de sorte, espécies de animais endémicas como o gralho e o francelho.
Length
17,5 km
Public transport
Localidad
El Paso - Mazo - Fuencaliente
Downloadable files selection
Archivos
Imagen Archivo
Título Fichero
Ruta de los volcanes
pdf

TENERIFE

TENERIFE

GRAN CANARIA

GRAN CANARIA

FUERTEVENTURA

FUERTEVENTURA

LANZAROTE

LANZAROTE

LA GRACIOSA

LA GRACIOSA

LA GOMERA

LA GOMERA

LA PALMA

LA PALMA

EL HIERRO

EL HIERRO
No te lo puedes perder
Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
Refúgio do Pilar N 28 36 768 // W017 50 161

A rota começa no refúgio do Pilar, um grande calva no topo que foi historicamente cruzamento de caminhos na dorsal sul da ilha. O refúgio conta com um centro de interpretação da rota.

O início da rota é através de um pinhal canário; este tipo de bosque será a paisagem vegetal mais frequente, embora em pontos do topo poderemos apreciar à nossa esquerda em zonas mais baixas da ladeira de barlavento a presença do Monteverde.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
mirador birigoyo N 28 36 581 // 017 50 391

Este pequeno miradouro permite-nos contemplar um autêntico tratado de geologia. A partir dele podemos observar o vale de Los Llanos de Aridane, gerado por um dos grandes deslizamentos típicos dos processos destrutivos do Arquipélago Canário.

Como testemunho fica o arco de Cumbre Nueva e em frente ao miradouro, o vulcão Bejenado que fecha a Caldeira de Taburiente. El Bejenado foi a última etapa geológica da construção das zonas norte e central da ilha, antes de a atividade se deslocar nos últimos duzentos mil anos para a vertente sul, na dorsal de Cumbre Vieja pela qual decorre a rota dos vulcões-

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
Falha N 28 35 294 // W 017 50 378

A ponte do trilho atravessa uma falha ocasionada pela atividade sísmica em conjunto com a erupção de 1949. Esta falha foi originada por um dos sismos associados ao vulcão de San Juan. Produto da pressão que o magma gera na sua subida pela chaminé, liberta-se energia que origina os sismos.  A falha é uma consequência da rutura da crosta terrestre pelas forças libertadas pelo magma.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
Hoyo Negro N 28 35 014 // W017 50 248

Este miradouro permite contemplar o Hoyo Negro, principal centro emissor da erupção de 1949, conhecida como vulcão de San Juan, porque iniciou-se no dia do santo.

 

A erupção de Hoyo Negro iniciou-se a 24 de junho de 1949 e continuou com altos e baixos até 31 de julho, período a partir do qual se passou a uma etapa de fumarolas. A abertura do centro explosivo mais importante, o Hoyo Negro, ocorreu a 12 de julho, coincidindo com importante atividade sísmica. A erupção teve sete etapas, a de maior intensidade foi a terceira entre 11 e 15 de julho; nesse período o Hoyo Negro emitiu importantes colunas de tipo vulcaniano.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
lavas Duraznero N 2834 747 // W017 50 267

O vulcão El Duraznero é um dos cones vulcânicos mais representativos do trilho, associado à erupção histórica de 1949. Está numa das zonas mais alta da rota dos Vulcões, com uma altitude de quase 1.900 metros. As erupções do duraznero foram explosivas totalmente magmáticas. Os desfiladeiros, ao contrário de Hoyo Negro, discorreram para a ladeira oriental da ilha. Na caldeira é possível observar os restos do lago de lava transitório que se produziu, até que se desbordou para o mar. Na zona da montanha mais próxima do trilho observa-se uma fissura que deu lugar a três cones de escórias

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
As Desejadas N 28 34 133 // W017 54 354

É o vulcão de maior altitude de Cumbre Vieja com 1.945 metros de altitude, embora não corresponda a uma erupção histórica. Faz parte da espinha central da Dorsal Sul da ilha. Este miradouro permite ter uma visão dos principais cones e focos de emissão do trilho. Da sua privilegiada posição, o miradouro das Desejadas permite compreender os eixos sobre os quais se desenvolveram a atividade eruptiva, assim como observar a progressiva colonização de lavas e campos de lava pela vegetação, tanto de moitas como de pinhais canários.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
llano guanches N 28 36 642 // W017 50 138

Planície de "picón" negro, com vegetação arbustiva e pinheiros, que se apresenta como uma área paisagisticamente muito serena e adequada para um descanso no caminho, após passar uma zona exigente para o excursionista. As planícies de lapilli são uma consequência das erupções de tipo estromboliano, pela chuva de cinzas vulcânicas. Na parte superior da planície afloram formações freatomagmáticas, que permitem explicar os processos de vulcanismo em que se entra em contacto com correntes de água, o se produzem explosões pela libertação de gases.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
Vulcão Martín N28 32 617 // W 017 50 390

Vemos à nossa frente uma planície de "picón" negro, sob o vulcão, na zona de acesso ao Vulcão Martín de Tigalate, uma erupção histórica do século XVII, cuja emissão ocorreu em 1646. A erupção do vulcão Martín de Tigalate abarcou cerca de um mês, entre outubro e dezembro, embora desde o mês de setembro tenham ocorrido sismos. No total o período eruptivo foi de 82 dias. Houve importantes crises sísmicas, e a erupção teve uma grande importância efusiva – derrame de material lávico. Que permitiu ganhar terreno ao mar. A erupção teve múltiplos centros de emissão, uns no topo sobre os quais temos acesso visual e outros no setor costeiro.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
Montanha do Fogo N 28 31 887 // 017 50 498

Este é o último cone vulcânico que é visível antes de começar a última etapa da rota, já pelo pinhal. A planície em que estamos marca o limite entre a zona afetada pelo vulcanismo histórico, especialmente o vulcão Martín uma de cujos desfiladeiros deixaremos à nossa direita, e um denso pinhal canário pelo qual caminharemos até Fuencaliente.

Imagen
Subtítulo
Rota dos Vulcões, La Palma
Título
Os Canários N 28 29 724 // W 017 50 698

A rota termina no núcleo dos Canários, que é o centro do município de Fuencaliente. Este município tem a sua história marcada pelo vulcanismo, porque no século XVII e o XX explodiram vulcões no sul da localidade, primeiro o San Antonio e depois o Teneguía. É uma localidade de marcado carácter vinícola, com abundante número de adegas e um dos locais onde se produz o malvasia.

Sustentabilidade
Sostenibilidad
- Nunca deixe resíduos de qualquer tipo no meio envolvente, incluindo pontas de cigarro. Os resíduos alimentares contribuem para a proliferação de roedores e gatos selvagens que constituem uma séria ameaça para a vida selvagem.
- Respeite os animais, não os incomode nem os alimente. Se vir algum animal ferido, pode contactar o número de emergência 112. Não arranque flores ou plantas.
- Não apanhe nem leve pedras ou qualquer outro elemento do meio ambiente. Também não o modifique empilhando as pedras para construir as infames "torres".
- Não caminhe em espaços não assinalados e respeite a sinalização dos trilhos. Sair dos caminhos assinalados causa danos ao meio ambiente e também pode ser perigoso para si e para aqueles que o acompanham.
- É mais seguro manter o seu animal de estimação com trela.
- Tente não perturbar a tranquilidade do meio envolvente com ruído excessivo (música alta, gritos...).
5
54784
10 13
262
10045