O Legado De

César Manrique

"Para mim, era o lugar mais belo da terra. E apercebi-me que se eles eram capazes de o ver através dos meus olhos então pensariam tal como eu.”
Uma ilha modelada por um artista. Assim se pode definir Lanzarote. A influência de César Manrique, criador universal e pioneiro do ecologismo, não passa desapercebido para nenhum viajante que chegue à ilha. A sua obra e, especialmente, a sua extraordinária visão da relação entre a natureza e o homem impregna muitos dos seus recantos. Também a forma de pensar dos habitantes da ilha e de todos os canários. Claro está que também os seus centros são atrações turísticas de primeira classe que se estendem por todo o arquipélago.
Muito Mais Que
Um Artista Plástico
César Manrique (1919-1992) nasceu em Lanzarote. Pintor, escultor, arquiteto e artista multidisciplinar, estudou em Madrid, e após vários anos a fazer exposições por todo o mundo, viveu nos anos 60 em Nova Iorque, a meca da arte naqueles tempos.

Dois anos mais tarde regressa a Lanzarote para se instalar definitivamente na sua ilha natal. É então quando inicia o seu projeto mais pessoal e ambicioso: utilizar a própria ilha como a tela onde plasmar as suas ideias artísticas e de defesa dos valores meio ambientais. O amor que sentia pela sua terra e a sua personalidade impetuosa fizeram o resto. Em 1978 foi-lhe outorgado o Prémio Mundial de Ecologia e Turismo.
A obra artística de César Manrique é muito ampla e de reconhecida qualidade, mas são as suas intervenções no território as que ocupam um lugar mais destacado. Em todas elas Manrique procura um diálogo extremamente respeitador e integrador com o meio natural. Miradouros, jardins, intervenções no litoral, centros culturais… A lista é interminável e surpreende pela sua originalidade e modernidade imperecíveis. Presentes sobretudo em Lanzarote, mas também em Fuerteventura, Tenerife, La Gomera e El Hierro podem admirar-se estas características da sua arte em centros e obras que elevam a sua assinatura e que não só se podem visitar como disfrutar.
Los Jameos
Del Agua
Foi o primeiro centro de Arte, Cultura e Turismo criado por César Manrique e um dos exemplos mais claros de harmonia entre a natureza e a arte. O artista aproveitou parte do interior do túnel vulcânico para criar um auditório natural de extraordinária beleza. Junto a ele, um jardim de palmeiras com um lago artificial e museu da “Casa de los Volcanes” (um dos centros de investigação mais importantes do mundo).
Jameos del Agua
El Taro de Tahíche
Fundación
César Manrique
O forte compromisso pessoal de César Manrique com a sua obra e a sua visão ecológica levou-o a reconverter um conjunto de campânulas vulcânicas na sua própria casa, que habitou durante anos. Hoje, aquela casa, na qual dormiram muitas personalidades da época, alberga a Fundação que tem o seu nome. Decorada com obras de arte do artista e da sua coleção privada percorrer os seus aposentos é a melhor maneira de se aproximar à mente e ao talento deste artista inigualável.
Fundação César Manrique
Lago
Martiánez
Totalmente assente no litoral, o Lago Martinez é um magnífico exemplo de arquitetura aberta ao mar. Com 33.000 m2 de superfície esta lagoa tem a forma de uma gigantesca esmeralda e no seu interior cinco ilhas oferecem ao visitante restaurantes, grills e salas de festa. As esplanadas e os jardins de flora autóctone contribuem para criar uma atmosfera exótica e todo o conjunto, pelo qual se encontram várias esculturas do autor, adapta-se perfeitamente à arquitetura tradicional canária.
Lago Martiánez